Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mais Beja

Mais Beja

27
Nov13

Alentejo destino obrigatório pela National Geographic

Mais Beja

“A revista de viagens da National Geographic elegeu os 21 destinos a visitar em 2014. Para a Traveler, a região alentejana é um must-see.

A lista de ouro da Traveler só tem sítios que reflectem o que é "autêntico, culturalmente rico, sustentável e, é claro, superlativo no actual mundo das viagens", resumem.

E eis como o lugar-comum da calma alentejana se torna, numa revista com a chancela National Geographic e com alcance mundial, um dos seus maiores trunfos turísticos. "Relaxe, pratique a paciência e não olhe para o relógio", aconselham.

Uma das grandes "estrelas" do texto que explica a escolha do Alentejo é a Rota Vicentina, "um dos mais recentes trilhos da Europa para caminhadas", "realmente selvagem", com "133 milhas (uns 214 quilómetros) de Alentejo, da acidentada costa ao campo, onde as cegonhas fazem ninhos e plantas endémicas florescem". Marta Cabral, da Casas Brancas – a associação que desenvolveu o projecto da Rota Vicentina –, é citada para sublinhar como o Alentejo quer apostar na sustentabilidade: "A nova geração está empenhada na preservação da região tal como ela é, autêntica e com um desenvolvimento sustentável ". 

Anja Mutic, a autora do artigo – este inclui um guia breve para a região –, vai dos tempos do "celeiro da nação" à “sensação de modernidade". Pelo caminho, dá exemplos de projectos recém-lançados, como o museu dedicado ao sabão em Belver; a Rota do Mármore ou o Ecorkhotel (o hotel de fachada revestida a cortiça que abriu em Évora). E a noite alentejana também é chamada às atracções, realçando-se como a ausência de poluição luminosa permitiu à zona do Alqueva (a Reserva Dark Sky) conseguir a designação de primeira "Starlight Tourism Destination" pela UNESCO, divisa que prova como a zona é ideal para admirar os fenómenos celestiais.”

Mais AQUI, no Público.

Porque o Alentejo pode ser muito mais. Muito mais que as lamúrias do povo e a agricultura. Pode aproveitar tudo aquilo que tem. Basta investir, criando um produto diferente e novo em Portugal, para os portugueses e estrangeiros.