Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mais Beja

Mais Beja

Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA)

Atualmente, o País vive uma revolução, com a destruição de quase tudo o que foi conquistando nos últmos 30 anos. A revolução trazida com a crise europeia e agravada pelos “senhores” da Troika e da Alemanha de Merkel. O País mudou e continua a mudar, mas para pior.

Houve cortes gigantescos e cegos em tudo onde Estado se encontra, o que em Portugal significa, prejuízos em TUDO o que existe na nação. Nada escapou, porque tudo e todos dependem do Estado.

A revolução trágica, afecta, como é óbvio, a cidade de Beja. A última grande revolução está acontecer, no muito e erradamente apelidado, “Hospital de Beja”. Digo erradamente porque não existe Hospital de Beja. Existe a ULSBA – Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo. Esta entidade engloba:  Hospital José Joaquim Fernandes (Beja), o Hospital de São Paulo (Serpa) e o Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Alentejo (com excepção do Centro de Saúde de Odemira), e mais 70 Extensões de Saúde! Como é possível constatar, não é só o “Hospital de Beja” que está em causa, nesta revolução trágica, mas a destruição dos cuidados de saúde de todos os que vivem no Baixo Alentejo!

O Hospital de São Paulo, em Serpa, já saiu da esfera da ULSBA, ficando nas mãos da Santa Casa da Misericórdia, tendo ocorrido a eliminação de várias serviços essenciais a qualquer indivíduo.

O Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, está hoje a ser desmantelado, e não encontro outra palavra, uma vez que se assiste ao encerramento de serviços; a não contratação de enfermeiros, tendo ocorrido a reforma de dezenas; e a perda de benefícios económicos, que empurram médicos para outras unidades de saúde ou mesmo para o estrangeiro.

Vejamos alguns casos simples: Qual é a principal causa de morte em Portugal? AVC, Enfarte Agudo do Miocárdio e outras doenças do aparelho circulatório. Que irá acontecer na ULSBA? Encerramento da unidade de AVC e provável saída dos 2 únicos médicos cardiologistas. Ou seja, o Baixo Alentejo vai ficar sem resposta na principal causa de morte em Portugal!

Qual é a 2ª principal causa de morte em Portugal? Cancro. A administração da ULSBA encerrou os quartos da ala esquerda do 6º piso, para ai se instalar. Que quartos havia na ala esquerda do 6º piso? Quartos para utentes oncológicos e que ai recebiam cuidados Paliativos. Além disso, a ULSBA continua a não ter internamento em oncologia, sendo dos únicos Hospitais do País sem este serviço, dado o elevado número de novos casos diariamente.

Qual é o futuro de qualquer País? As crianças. Tendo ocorrido a diminuição de camas em pediatria e o provável fecho da maternidade, que levará consequentemente ao encerramento do serviço de neonatologia. Ou seja, as crianças do baixo Alentejo vão nascer a Évora, Setúbal ou Lisboa!

O serviço de Imagiologia não tem Ressonância Magnética, ferramenta importantíssima no diagnóstico de várias doenças e complicações. Com isto, além do claro défice nos cuidados fornecidas à população, está o facto de o serviço ter perdido a Idoneidade, ou seja, não pode formar novos especialistas nessa área. Não formando novas especialidades, será praticamente impossível fixar especialistas em Beja, já de si uma tarefa muito árdua.

Qual é o plano da ULSBA?  Criar um “mega centro de saúde”, em vez de melhorar e acrescentar novos cuidados de saúde?

Ao desmantelar-se a ULSBA, assiste-se a um ciclo vicioso, porque menos cuidados de saúde, menos financiamento, leva a menos cuidados de saúde. O objetivo de qualquer administração, é criar um ciclo virtuoso, em que mais serviços de saúde, mais financiamento, gerará mais cuidados de saúde! Nunca conheci gestores, que têm como objetivo destruir valor/riqueza e diminuir aquilo que gerem.

O objetivo é melhorar e crescer. Se necessário, pode-se racionalizar pessoal e custos. O que se assiste não é a racionamento ou gestão criteriosa. É desmantelamento e destruição, pura e dura!

Somos a única capital de distrito sem autoestrada. Talvez passemos a ser também a única capital de distrito sem Hospital.

E quem perde, não é apenas a cidade de Beja. É todo o Baixo Alentejo: Aljustrel, Almodôvar, Alvito, Barrancos, Beja, Castro Verde, Moura, Ourique, Serpa e Vidigueira. 130.000 indivíduos, providos de opinião, caracter, personalidade, identidade, sentimentos, amor, fé, sonhos e expectativas, que não são apenas números em folhas excel e euros! Portanto, a luta deve ser feita por todos, sem exceção. Sem "clubismo" políticos ou ideológicos!

11 comentários

Comentar post