Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mais Beja

Mais Beja

21
Abr17

Boletim municipal de Abril 2017 - Trabalho realizado ou eleitoralismo?

Só conversa bla-bla-bla.gif

Este mês, os bejenses, receberam em suas casas o boletim municipal, "BEJA INFORMAÇÃO", onde a câmara divulga os seus projetos, eventos ou obras. Lendo as suas 28 páginas, fico na dúvida se é um boletim informativo sobre o que foi realizado ou um boletim eleitoralista, promovendo o programa para o mandato 2017-2021 do actual executivo.
Nele, é possível ver vários anúncios de arruamentos, edifícios e requalificações um pouco por toda a cidade. Mas quais encontram-se realmente concluídos ou prestes a concluir visto que o atual mandato termina daqui 5 meses? Para entender melhor, irei dividir a propaganda, perdão, a informação contida no boletim em 2 grupos: "obras concluídas ou prestes a concluir" e "obras não iniciadas".

 

OBRAS CONCLUÍDAS OU PRESTES A CONCLUIR:
- Parque vista alegre
- Parque urbano no Bairro social II
- Reabilitação dos edifícios do Bairro social II
- Parque infantil e campo de jogos no Bairro da Força Aérea
- Arranjos exteriores no Parque industrial
- Centro UNESCO
- Centro de Arqueologia de Beja e Fórum Histórico de Beja

 

OBRAS NÃO INICIADAS:
- Rua da Lavoura (apesar de anunciado o início das obras, no local não é possível ver qualquer máquina ou material de obras)
- Logradouro do Clube Bejense
- Nova zona industrial norte
- Mudança do piso da Praça da República para calçada portuguesa
- Nova pista de atletismo no Complexo Fernando Mamede
- 3º campo de futebol sintético
- Requalificação dos campos sintéticos (1 e 2) e relvado
- Centro de Apoio ao Desenvolvimento Local
- Casa criativa
- Novo pavilhão desportivo no Bairro do Pelame
- Reabilitação da Casa da cultura
- Passagem superior, ligando a Rua da Lavoura ao Bairro São Miguel
- Museu da Banda desenhada
- Requalificação da rua José Joaquim Fernandes, no Penedo Gordo
- Requalificação da Rua D. Afonso III (entrada da cidade, para quem vem de Serpa)

 

Nas freguesias rurais, excluindo as obras desenvolvidas pela EMAS, com a substituição dos ramais de água, repavimentação de passeios e colocação de alcatrão na estrada, pouco ou nada há a assinalar de relevante.


Em síntese, existem 7 obras concluída ou prestes a concluir, contra 15 obras que não foram iniciadas. Como é fácil de constatar, a diferença é enorme, revelando um boletim de propaganda eleitoral. Não é de espantar, infelizmente, porque esta é a maneira de fazer política em Portugal, prometendo mais do que construindo, algo comum na politiquice em ano de eleições, promovendo aquilo que não fizeram, com imagens geradas em computador, em folhetins, cartazes e publicações nas redes sociais.

Não basta já desta forma de fazer política, cheia de ilusões e promessas não cumpridas?