Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mais Beja

30
Set15

Visite Beja

Castelo de Beja 2.jpg

Beja é uma autêntica cidade-museu, apresentando edifícios e ruas praticamente inalterados ao longo dos séculos. O fascínio de uma viagem até Beja começa antes de se chegar à cidade, onde é possível observar de longe a fantástica torre de menagem do seu castelo. Dentro da cidade, é possível observar vestígios dos tempos dos romanos, edifícios medievais, inúmeras igrejas, museus e conventos. Além disso, pode ouvir o cante alentejano é alguns locais e eventos culturais que se realizam na cidade e saborear a típica comida alentejana em vários restaurantes da cidade. E, por onde quer que ande, o que vai sempre marcá-lo é a arquitetura antiga e o branco das casas nas ruas estreitas.

Comece por visitar a torre de menagem do castelo, tão importante em guerras para defender as fronteiras de Portugal. Tem 40 metros de altura e foi construída inteiramente em mármore, sendo o símbolo da cidade. Se possível, suba até ao topo, para admirar a vista da cidade e da paisagem do Alentejo ao redor.

Por perto, encontra-se a catedral (Sé) e a Igreja de Santo Amaro, que contém uma coleção de objetos da época dos visigodos. Bem perto, na Rua D. Manuel, é possível conhecer o Museu da Farmácia, instalado no antigo hospital, do séc. XV.

Na Praça da República, os edifícios de estilo manuelino dão uma nota especial a este lugar, onde existe um pelourinho que remonta ao século XVI e a Igreja da Misericórdia, uma obra-prima do Renascimento. Seguindo a Rua do Touro, você vai chegar ao museu Jorge Vieira, um grande escultor do século XX, que é conhecido por suas figuras de terracota.

Na mesma zona da cidade, mais precisamente no Lardo dos Prazeres, encontra-se a Capela datada de 1672 composta por dois corpos distintos. A fachada simples não denuncia a riqueza artística do seu interior. Aqui encontra-se um dos mais importantes repositórios de arte sacra da cidade e um conjunto de azulejos com grande beleza, composto por painéis historiados de 1698 da autoria do pintor Gabriel del Barco. O corpo da igreja encontra-se revestido por talha barroca e azulejos do século XVIII.

Por estes e outros motivos que pode descobrir, Beja é sem dúvida uma cidade rica em termos de cultura e património, sendo um ótimo local para visitar sozinho, com a família ou numa viagem romântica.

E se procura um hotel, a melhor opção de turismo em Beja em Infoisinfo Portugal

Venha conhecer Beja!

29
Set15

PS, PSD/CDS e afins

Dois lados sem ideias realistas, nem planos de como irão executar o que dizem, contendo apenas populismo barato escondido em ideologias ultrapassadas e que não servem o interesse do povo. De convicções irreais, inabilitados, vivendo ambos da mesma ambição de governar, apenas para terem poder, e não de fazer o bem ao povo. Análogos nas palavras, idênticos nas ideias, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero.

Então porque criticam e atiram pedras uns aos outros? Porque não podem todos governar ao mesmo tempo: PS, PSD e CDS.

Paulo Portas, no primeiro dia de campanha, começou com o falsidade e vergonhoso populismo dizer ao povo que iria repor pensões, ajudar os ex-combatentes e ajudar os mais carenciados, atitudes e medidas que não fez nos últimos 4 anos.

O PSD de Passos Coelho apenas pretende impor a sua ideologia. Não quer reformar o País, não quer gerar emprego, não quer prosperidade, não quer apoio social. Não quer os valores e princípios que fizeram renascer este País à 40 anos atrás. Apenas pretende impor a sua ideologia, mesmo que todos já tenham visto que o plano afundou o navio, e que este já se encontra no fundo do mar.

A esquerda ataca-se mutuamente, não entendendo os líderes dos partidos que quem ganha é a direita. Se fossem verdadeiros democratas, entenderiam que não é obrigatório um único partido governar o País, e uma coligação de 2 ou 3 partidos à esquerda, poderiam fazer melhor que 2 partidos à direita.

26
Set15

Quais as promessas e visões dos candidatos pelo Baixo Alentejo?

 

Legislativas 2015.jpg

Antes de votar, é fundamental que cada um dos eleitores se informe. Para tal, é imprescindível saber o que fizeram (ou não) os partidos nos últimos 4 anos e qual a visão para a nossa região para os próximos 4 anos!

Pode ouvir as entrevistas aos principais candidatos: Pedro Carmo (PS), João Ramos (CDU), Neuza (Coligação PSD e CDS) e Mariana Aiveca (BE), através do site da Rádio Pax, clicando AQUI.

23
Set15

Passos Coelho e António Costa

Todos são capazes de fazer tudo para enganarem tudo e todos. Vivemos da imagem, do "bem parecer". Uma pessoa que fala bem e tem uma boa imagem é credível.
O que conta? É a realidade. O que cada pessoa faz. Não o que diz ou parece.
Assim, chegámos ao ponto actual: o povo não acredita nas instituições, nos governantes e na democracia.

Estas eleições vão ser a escolha entre duas políticas bem distintas. De um lado, a austeridade, teimosia crónica e ditadura fiscal. Do outro lado, menos impostos, investimento e desenvolvimento social. A poucos dias de escolher o que queremos para nós, enquanto indivíduo, povo e país, temos a decisão nas nossas mãos. Que futuro queremos?

 

18
Set15

Oh Passo Coelho…

Só conversa bla-bla-bla.gif

Você falar de solidariedade social e desenvolvimento económico é o mesmo que meter Ricardo Salgado a falar de regulação bancária e ética nos negócios. Não dá. Não "encaixa".

Assim, espero que os portugueses julguem os políticos não por aquilo que dizem, mas por aquilo que fazem.

17
Set15

O "milagre" financeiro do Governo

Paulo Portas e Pedro Passos Coelho.jpg

 "Em 2014, o Governo estimava obter €12,7 mil milhões em IRS, ou seja, mais de 34% dos €36,9 mil milhões de impostos previstos para o final do ano (a mais alta receita de sempre). Em 2006, o IRS rendia €8,2 mil milhões e correspondia a uma fatia de 25% das receitas fiscais." Fonte: Expresso

Não há justiça nem rumo. Há impostos, impostos e impostos.

É cortes na saúde, na educação, é redução de salários e pensões, é rescisões de contratos na função pública, é mais despedimentos nas empresas públicas, é desemprego, falências e recessão económica.

A austeridade quase matou a economia e a sociedade portuguesa.

É preciso inventar a esperança. Ela não morreu, apenas não está no Governo que a devia erguer.

Pág. 1/2