Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mais Beja

15
Mar22

Ruas novas e lotes para habitação precisa-se em Beja

Mais Beja

Planeamento de ruas.jpg

FOTO: GOOGLE IMAGENS

 

Um dos problemas da cidade, é a habitação, que é cara para a classe média, maioritária em Portugal e em particular em Beja, uma vez que a maioria dos empregos são no Estado. O principal factor, na minha humilde opinião, é a falta de terrenos para construção, que numa economia de mercado, em que a procura é muito superior à oferta, os preços tendem a ser elevados. O segundo principal factor, é a ausência de visão e investimento por parte da Câmara Municipal. Em Beja, e nos últimos 15 anos, não houve o nascimento de uma rua ou área urbanizável. Um dos papéis da Câmara é facilitar e promover a fixação de pessoas no concelho, e aqui tem realizado um péssimo trabalho. Em terceiro, é o preço dos lotes para construção, sejam públicos ou privados. Recordo, que em 2019 a Câmara colocou à venda 2 lotes, para habitação familiar, na Vila Azedo, com um preço mínimo de 20.000€, cada lote. Se os políticos se queixam que as aldeias estão a ficar desertas, como se combate esse flagelo, se os terrenos para habitação, mesmo públicos, são caros? Uma família, de classe média ou média-baixa, com os baixos salários e as limitações na concessão de crédito bancária, fica logo impossibilitada de construir uma casa, fora da cidade! Portanto, nem estamos a falar dentro da cidade… A somar a todas as licenças e à construção em si, são mais 120/130 mil euros (informação obtida de 2 construtores). Ou seja, uma casa na Vila Azedo, fica por 150.000€ ou mais!

No interior da cidade, a Câmara Municipal colocou à venda vários lotes para habitação familiar, por 30.000€ na urbanização entre a Quinta Del Rey e o Bairro do Pelame, praticando o mesmo preço que o privado, há uns anos atrás, na mesma zona.

 

Sem pensamento e planeamento, as últimas ruas e estradas foram executadas sem passeios largos, árvores ou lugares de estacionamento. Aqui, a Câmara e os seus técnicos têm falhado profundamente. A última urbanização construída em Beja, foi a que se situa entre a Quinta Del Rey e o Bairro do Pelame, há mais de 13 anos. Nesta zona, que assiste ao surgimento do maior número de novas habitações na cidade, existe pouco estacionamento, obrigando as pessoas a estacionarem os carros em cima do passeio ou em frente aos portões, canteiros sem árvores, bem como não existe qualquer parque infantil ou jardim nessa zona da cidade. Ou seja, é um bairro de casas, carros e passeios. Mais nada. É um local estéril. E pior fica, quando tem um excelente exemplo de planeamento e ordenamento que é o famoso Bairro dos Alemães. Nele, existe ruas largas e com pouco trânsito, parque infantil, uma mata, creche, zonas de lazer, estacionamento mais do que suficiente para os moradores estacionarem os carros.

 

recreacion-barrio-abc.jpg

FONTE: GOOGLE IMAGENS

 

É fundamental um novo Plano Diretor Municipal (PDM), que crie novas zonas residenciais na cidade, com zonas verdes e espaços de lazer modernos, capazes de aumentar a oferta e qualidade de vida para quem cá vive ou quer viver.

 

Estacionamento em cima do passeio Beja (2).pngFOTO: GOOGLE MAPS

 

Outro problema atroz, é o que se passa na Rua Diogo Gouveia, e que pode ser visto na segunda foto desta publicação. Nesta rua, existem passeios, mas não existe qualquer lugar de estacionamento para carros ou motos, sendo que existem prédios e moradias de ambos os lados da rua. As pessoas que aí vivem, estacionam os veículos em cima do passeio e os velhotes e carrinhos de bebé, têm de circular na estrada, com o risco de serem atropelados. Atualmente, cada família tem no mínimo 2 veículos ligeiros, como tal, as ruas têm de ser planeadas e executadas de forma diferente.