Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mais Beja

O blogue Mais Beja tem como objetivo principal ser local de opinião, informação e divulgação de Beja e do Baixo Alentejo.

Mais Beja

19
Set18

Enganar os alentejanos com esmolas

Mais Beja

Politics lie.jpg

 

Segundo informação da empresa pública Infraestruturas de Portugal (IP), vão ser investidos 107,5 milhões de euros em 18 contratos, um por cada distrito, para conservação de estradas. O distrito de Beja irá receber 8,2 milhões de euros e as obras vão decorrer ao longo dos próximos três anos.

Nas redes sociais houve uma certa felicidade e elogios à medida.

Vamos aos factos e realidade...

No distrito de Beja, a Infraestruturas de Portugal é responsável por uma rede de estradas com 1.246 quilómetros, além de 335 estruturas especiais como pontes, viadutos e outras tipologias de travessias. No seu programa de investimento, a IP pretende a “reparação e beneficiação de pavimentos, a reposição e adequação da sinalização, guardas de segurança e outros equipamentos de proteção, a limpeza das bermas e zonas adjacentes à faixa de rodagem, a estabilização de taludes, a conservação e recolocação de vedações, o tratamento dos sistemas de drenagem e reparações em pontes e outras estruturas”. Ou seja, estamos perante um plano vasto e ambicioso.

Supondo, uma que vez não tenho nenhum estudo ou documento que comprove, apenas metade de toda a rede viária (1.246 km) necessita de obras de requalificação e beneficiação, ou seja, 623 quilómetros, incluindo a conclusão da autoestrada A26 até ao aeroporto de Beja. Dividindo o montante global destinado para os próximos 3 anos, irão ser investidos 13.162€ por quilómetro. Numa pesquisa no google por notícias sobre reparação de estradas, é possível constatar que estes valores, noutros municípios é 4, 8 ou 10 vezes maior (custo por quilómetro).

Outro dado, é o custo de construção de uma autoestrada, como é pretensão de todo o Baixo Alentejo e de justiça territorial, uma vez que Beja é a única capital de distrito que não está ligada por uma autoestrada. O custo de um quilómetro de autoestrada é, em média, de 4.000.000€. Ou seja, o montante total (8,2 milhões de euros) para o maior distrito de Portugal, apenas permitiria construir 2 quilómetros da futura autoestrada A26.

 

Para se ter outra ordem de grandeza e da brutal desigualdade regional, o Metropolitano de Lisboa vai comprar um novo sistema de sinalização e sete comboios por 136,5 milhões de euros.

 

Em conclusão, nada vai mudar. Quer nas acessibilidades rodoviárias ou outro qualquer investimento público. Apenas irá manter-se a persistente conversa dos políticos de que irão “investir no interior do país”. É necessário dizer basta de gozarem connosco!

 

Antes que venham falar do Alqueva, algo repetido pelo Governo PS para dizer que o Baixo Alentejo não está esquecido, é fundamental esclarecer: apenas há investimento porque os fundos vêm da União Europeia. Ponto final.